30 de jan de 2015

Vivendo um dia de cada vez

Olá!

Eu sou uma pessoa que gosta de planejar a semana, preencher de maneira equilibrada os horários, pensar em como aproveitar bem as férias, os finais de semana, os shows que quero ir, as coisas que quero costurar, assim como os dias ditos comuns. Até um tempo atrás, quanto mais cheia a agenda eu achava que era melhor, mesmo que eu ficasse acabada no fim do dia.

Em novembro, iniciei um tratamento médico intensivo para emagrecer e desde então eu planejo os meus dias com menos antecedência.

Eu passei muito mal no começo, principalmente no primeiro mês, e por isso precisei faltar ou adiar alguns compromissos. Depois tudo foi voltando à normalidade mas eu já tinha me acostumado a fazer as coisas em outro tempo e priorizar o que era mais importante (inclusive reservar um tempo razoável para cuidar da minha saúde).

Ainda assim, tinha comprado em setembro ingressos para o show do Foo Fighters que aconteceu agora em janeiro. Comprei também passagens para viajar de férias logo em seguida (por isso a jaqueta bomber costurada recentemente). Uma semana antes destes eventos, o Astor - meu cachorro mais velho - passou muito mal.

Corremos pro veterinário, fizemos exames, até que veio a notícia que o que ele tinha era grave e tinha que ser operado com urgência. A notícia veio no dia do meu aniversario de 8 anos de casada, que não tivemos cabeça para comemorar como de costume, mas não esqueci de me sentir muito grata por estarmos juntos por tantos anos, mesmo que dessa vez a data tenha sido difícil.

De novo, eu tinha que viver um dia de cada vez. O dia de operar, primeiro dia de internação, segundo dia de internação, a volta pra casa (obrigada, Senhor!), os cuidados diários, os retornos pós-operatórios.

Por ele estar com uma cicatriz grande e por morarmos num sobrado, acampamos na sala de novo para que o Astor não subisse as escadas. E revezamos as saídas para que ele não fique sozinho.

Fomos ao show do Foo Fighters graças à ajuda do meu cunhado, que ficou de olho nos meus meninos. Não fomos viajar, não fomos ao aniversário de uma das pequenas da família, não fomos andar de bicicleta no domingo, faltei algumas vezes no Pilates.

Não temos TV na parte de baixo da casa. Nosso acampamento na sala baseia-se em: nós quatro (eu, marido, filhote recém-operado e filhote mais novo), roupa de cama, um telefone fixo, uma vitrola e um tanto de discos, dois celulares e, eventualmente, um notebook para vir dar um sinal de vida aqui no blog.

Deixei na sala a minha caixa com os materiais da colcha de hexágonos e o marido deixou uma guitarra para treinar um pouco. E aí você se dá conta que realmente "menos é mais".

Em um dos dias em que fui visitar o Astor, ele estava bem melhor (e acabou tendo alta no final do dia). Voltei para casa ouvindo esta música que diz muita coisa sobre estarmos (ou não) fora de perigo, sobre superação. Chorei um bocado neste dia e nos anteriores também.

"In the Clear" - Foo Fighters

E aí você também se dá conta que temos mesmo que viver um dia de cada vez. Para mim, acordar pela manhã na sala e ver meus três amados bem e ter a minha caixa com hexágonos para costurar me basta. Ver o meu anjinho em forma de cachorro cada dia melhor é a grande alegria dos últimos dias. E assim os dias passam por aqui, por isso o ritmo de costuras anda mais lento, ainda que não tenha parado totalmente.

Flagra do marido em um dos poucos momentos "fugidos" no andar de cima de casa. 
Se eles estão felizes eu também estou.

Um beijo e um bom dia de cada vez pra todo mundo!

28 de jan de 2015

Versões novas e costurices

Olá gente, como estão?

Nesse post vim apenas mostrar o que eu ando fazendo com a minha super companheira maquininha! Como havia falado para vocês, retomei os vestidos de inverno da Julia (post aqui) e fiz novas versões, vejam:


Lembram desse primeiro vestido que mostrei a vocês (post aqui)? A segunda versão foi feita com um tecido incrível de vagalumes da Sarah Jane, dessa vez muito melhor acabada, adorei!

A primeira versão com maçãzinhas e a segunda, num lindo tecido floral com passarinhos, também ficou super bem acabado.

Ainda falta mais uma versão do primeiro vestido, que está cortada em linho japonês, uma riqueza só, aguardem.

Além das novas versões de inverno, caprichei nas bonecas, fiz mais dois anjos dorminhocos, um menino e uma menina e adorei o resultado. O primeiro apareceu aqui. Quando a gente repete projetos, eles vão ficando mais interessantes e acabamos criando mais detalhes, é uma delícia!


E pra finalizar, fiz uma surfista negra para dar de presente para o Titi, meu sobrinho de coração que também ganhou um bebezinho (post com link para o tutorial aqui) para brincar de papai, afinal é bem importante que os meninos aprendam a lidar com seus futuros filhinhos né?


Ufa, espero que tenham curtido as últimas produções, assim como eu curti fazer!

Beijoca,
Ana

26 de jan de 2015

Costuras da Semana!

Olá!

Até metade da semana passada, com o verão insano que está em curso, a gente aqui em casa teve que fazer algumas modificações na rotina: montamos acampamento na sala, pois a parte de cima da casa está praticamente inabitável, rs!

Com isso, arrumações e costuras no meu quartinho estavam impossíveis. Costurar na cozinha também não deu muito certo, tanto que depois que terminei a jaqueta, devolvi a máquina ao seu lugar de sempre lá no quartinho.

Com o ar condicionado de rodinhas e o circulador de ar ligados na sala o tempo todo, onde os cachorros têm espaço para se espicharem no chão frio e a gente consegue deitar sem se grudar um no outro (chato isso, né?!) eu me dediquei à alguns trabalhos de computador ligados ao blog (**novidades para o futuro**) e, quando terminava o "expediente", eu ficava com aquela sensação de não ter o que fazer. Na verdade era hora de costurar e eu não estava conseguindo sair do lugar.

O jeito de resolver foi apelar aos trabalhos manuais. A eleita para tardes em frente ao ar condicionado de rodinhas foi a retomada da minha colcha. Quem quiser acompanhar toda a saga da colcha, de quase 2 anos de idas e vindas, é só clicar aqui.


É chato ter que suspender os planos de costura que eu tinha para estes meses de férias, mas ter algo em andamento já me satisfaz um bocado. Até porque é um projeto muito querido para mim, apesar de ser longo. Saldo de hexágonos brancos até o momento: 139 (de 536). 

Quando o tempo refrescou um pouco, cheguei a começar a bolar uma saia rapidinha, mas não consegui porque o tecido que eu queria usar não era o mais apropriado para o projeto, hehehe. #quemnunca

Fora esta coisa toda do calor, a última semana foi uma loucura aqui em casa, mas não sei se ainda consigo contar por aqui. Agora que as coisas estão acalmando, eu vi que manter as minhas mãos ocupadas fazendo a colcha me ajudou muito.

Espero ter mais para mostrar na próxima semana!

Beijos e boas costuras!

23 de jan de 2015

Look do dia - Saia em dobro!

Olá!

Já faz um tempo que fui pra Paris e os looks foram sendo publicados aos poucos aqui no blog. Para não levar mais tempo ainda para mostrar os últimos dois, resolvi juntar num post só. O que eles têm de semelhante? Os dois partiram de uma saia para eu ter o restante da combinação.

Deu pra notar que a gente não precisa ficar presa apenas às calças quando está frio. Não levei nenhuma calça jeans, por exemplo, pois acho que elas esquentam pouco. Deixei espaço na mala para peças que eu pudesse usar com meia calça térmica, que me deixa quentinha ainda que com as pernas de fora.

O primeiro look foi pensado para eu usar com a minha amada capa de lã. A saia justinha não adicionaria volume na parte de baixo, importante para uma capa volumosa. Combinei com uma camisa jeans estampada de florzinhas e uma blusa de lã que eu acho super bonita, mas que pinica um monte. A camisa por ser mais grossinha evitou o pinicamento (e assim eu quase desisti de tirar a tal blusa de lã de vez do meu armário). Neste dia estava mais frio e eu passei quase o dia todo com a capa, adorei!

E eu que não sou de usar brincos grandes há muito tempo, me apaixonei por este par que tem formato de pluma. Espero poder usar mais, pois realmente é super bonito!



  
Capa de lã com forro de cetim: tecidos comprados na Mittus (rua Augusta) e molde da Revista Burda portuguesa (08/2013).
Saia lápis: malha ponto roma comprada na Mediterrâneo (no Bom Retiro), molde Mabel, do site Colette Patterns (EUA).
Camisa jeans: Uniqlo (San Francisco)
Blusa de lã: H&M (Paris)
Meia calça térmica: DIM (Paris)
Botas: Schutz 
Anel: Camila Klein
Brincos: Pri Schiavenato
Batom: Diva (MAC) 

O último look desta série é do jeito que eu gosto, com estampas mais aparecidas! A blusa fechadinha de seda é um dos meus xodós, junto com essa saia xadrez de lã. Usei bastante as duas peças no inverno passado e não podia deixar de levá-las comigo nesta viagem. As estampas acabam casando entre si por terem o preto como cor em comum. O casaco creme que foi por cima teve que dar conta do vento bem frio deste dia.

Como eu tenho muita preguiça de trocar de bolsa e muito apego pela minha "Luisa", eu sempre coloco um lenço amarrado nela para dar um toque especial. Ganhei a bolsa do marido há mais de dois anos e praticamente só uso a mesma bolsa sempre. Troco só quando quero usar uma pequenininha, pra sair, sabe? No resto do tempo, só dá a "Luisa", rs!





Blusa de Crepe de Chine: tecido de seda comprado na Mittus (rua Augusta) e molde da revista Burda Portuguesa (11/2013)
Saia de lã xadrez: tecido comprado na Mittus (rua Augusta), molde feito com as minhas medidas.
Casaco: não sei a marca, comprado em Buenos Aires
Meia calça térmica: DIM (Paris)
Botas: Schutz 
 
Bolsa: Speedy Louis Vuitton com lenço Liberty vintage da L'Oiseau.
Cachecol: Uniqlo 
Brincos: Camila Klein
Batom: Berry Noir (Contem 1g)

Preparando este post senti saudades do frio e muita vontade de voltar!
Gostou?

Beijos!

21 de jan de 2015

Sabe aquele projeto de costura? Então, não deu certo...

Oi, pessoal!

O título desse post não é muito convidativo, mas achei uma ótima idéia falar das peças que não deram certo. Afinal, quando ficam lindas e incríveis a gente sai logo mostrando pra todo mundo, né?!

Aí fica aquela impressão de que somos invencíveis e que nada dá errado hora nenhuma: “nossa, como ela costura!”. Ha ha ha, não é bem assim.

Vou começar comentando com vocês sobre uma blusa, que a Katia já mostrou aqui em várias versões, a Taffy, do livro da Colette (aqui).

A primeira vez que tentamos esse molde foi durante uma das deliciosas tardes da costura que a gente conseguia fazer de vez em quando.

Pensamos nesse molde porque ele nos agrada e porque parecia realmente fácil fazer... no meu caso, apenas parecia. Escolhi uma organza verde musgo e a Katia, um lindo tecido de chiffon azul petróleo.

Bem, as dificuldades começaram já no corte da peça. Esses tecidos são finos e dão um super trabalho pois escorregam demais, desfiam e, ainda por cima, esta era uma peça cortada em viés... Este é um dos desafios que gostaria de vencer: utilizar outros tecidos, já que praticamente só uso algodão e um tantinho de malha e moletom. Olha, devo dizer, deu dor de cabeça! Queimamos a cachola para conseguir cortar nossas blusas.

Primeira tentativa.

Outro passo foi a montagem da blusa: ela é bem simples, mas tem um cintinho que não ficou localizado exatamente sobre minha cintura, ficou em uma posição alta demais e talvez por isso, aliado ao fato de que tenho muito busto, não teve o caimento esperado. Resultado: larguei a peça no meio (porque o tecido tinha desfiado e ficado extremamente transparente) e decidi tentar com outro tecido.

Minha segunda opção foi uma cambraia de algodão super charmosa que encontrei no Brás e logo pensei na tão sonhada blusinha. Pedi que minha mãe cortasse o tecido (sempre confio mais nela que em mim para isso). Só que ela não olhou a indicação do molde e não cortou em viés.

Decidi que, mesmo assim, faria a blusa até o final para poder testar o famigerado molde e ver qual o resultado. De início, assim que fiz as pences, vesti a blusa e já não gostei do caimento... mas fui em frente, porque queria ver no que dava.

Por fim, teve o acabamento, que aliás é o principal da peça, (segundo o livro, ela é o exemplo de peça para tentar acabamentos perfeitos - hehehehe - e por isso foi a escolhida também).

A blusa tem o decote e as mangas acabadas em viés. O grande vilão do viés ataca novamente. Acho que nem preciso discutir com vocês a qualidade do viés pronto que se vende aqui no Brasil, né? Quem aí já precisou desse aviamento sabe do que estou falando, temos só duas opções: algodão e cetim.

O algodão é duro, feio e da pior qualidade que vocês possam imaginar. Não poderia usar na peça, visto que “com toda essa qualidade” descrita acima, certamente estragaria minha blusa! A outra opção, de cetim, além de ser feita de um tecido bem ruim, tem poucas variedades de cores e estampas, de modo que nem perdi meu tempo em procurar algo que combinasse com a minha blusa e fui logo pensando na nossa única opção: fazer o próprio viés. Para essa blusa, são necessários algo em torno de 5 metros. Lá fui eu e devo confessar, o viés, nesse caso foi o menor dos meus problemas, foi uma questão apenas de paciência.

Depois de pronto, apliquei nas mangas e no decote e voilá, vamos experimentar!

Segunda tentativa.

Resultado: desastroso! Meu decote ficou enooooorrme, não sei o que aconteceu, se minha mãe cortou errado ou se ele é mesmo grande. As mangas ficaram exageradas e o viés não assentou... posso dizer que odiei? Desculpem, mas a palavra é essa.

Não tem jeito, vai ter que virar alguma peça pra Julia ou uma regata simples para mim... frustração total e dinheiro mau gasto (não digo jogado no lixo, pois vou reaproveitar de qualquer jeito). Foram horas de trabalho para chegar a um péssimo resultado.

Mas sou brasileira e não desisto nunca, já tenho outra cortada e pretendo repetir e fazer isso até acertar, afinal o modelo é bárbaro, feminino e diferente, além de ser uma blusa que tem o meu tamanho. Desistir jamais!

Por hora deixei de lado, mas quando retomar venho contar a vocês o resultado!

Beijoca,
Ana

19 de jan de 2015

Costuras da Semana!

Olá!

Nesta semana que passou, além de terminar a minha linda jaqueta bomber (mostro já), fiz o curso de Cultura de Moda, com o maravilhoso João Braga, lá na EduK.

Acabei comprando o curso para poder revê-lo quando quiser e para ter acesso ao material complementar.

O João é uma enciclopédia viva da moda e passou o conteúdo todo de maneira muito fluida e interessante. Fiz 10 folhas de anotações! Quem tiver interesse pelo assunto, o link do curso é este.

 João Braga arrasando na EduK!

Sobre as costuras de fato, mesmo com a mudança da máquina de costura para a cozinha, não costurei muito, não tá fácil ainda, rs!

Mesmo assim, terminei a minha jaqueta bomber. Em breve vai dar para entender porque encarei esta "loucura de verão", rs!

O molde é incrível, da Papercut Patterns (Nova Zelândia) e a ideia de fazê-la quiltada e forrada veio do blog da Liberty. Saquei um dos tecidos Liberty mais amados de todos os tempos e estou muito feliz com o resultado!





O mais legal do projeto é poder misturar materiais (algodão por fora e por dentro, manta de algodão no "recheio" e punhos de malha). Também nunca tinha colocado um zíper destacável, sempre bom ter a oportunidade de fazer!

Agora que terminei a jaqueta, resolvi terminar meus jogos americanos de Patchwork que estão inacabados desde que as férias na Fon Fin Fan começaram. Logo as aulas recomeçam e não quero estar com o projeto pelo meio.

Por enquanto é isso!

Beijos e boas costuras!

16 de jan de 2015

Look do Dia - Passeando de bicicleta em Paris!

Olá!

Este post, de alguns mais sobre Paris que ainda estão na fila para serem publicados, é de um dia muito feliz na minha ultima ida à cidade.

Com os acontecimentos trágicos dos últimos dias, eu fiquei pensando se deveria publicar agora. Decidi que sim, até porque eu desejo que a paz retorne a este lugar tão especial e que bons dias como este sejam comuns a todos que lá estiverem.

Isto posto, vou contar a história deste dia. Já contei antes que o marido participou de um congresso em Paris e, em um dos dias em que estaria sozinha durante o dia, programei um passeio de bicicleta.

Fiz o passeio com um grupo de brasileiros muito legal, através do Conexão Paris. Dura 3 horas e o percurso tem algumas paradas, bem plano. No outono, quando eu fui, só tem o passeio diurno, mas no verão também tem um passeio noturno que deve ser uma delicia!

O passeio começa e termina pertinho do Centre Georges Pompidou, pertinho da estação Rambuteau do metrô.

O dia estava lindo e passamos por vários lugares famosos de Paris. Apesar de eu já conhecer boa parte, foi muito gostoso fazer o trajeto de bicicleta, ver a cidade de outra forma. Algumas paradas para fotos e também um piquenique delicioso com direito à brinde com vinho nos jardins do Museé de La Mode (que fica atrás do Trocadero, eu não conhecia e adorei!)

A Pont des Arts, famosa pelos cadeados deixados por casais apaixonados (confesso que coloquei um na primeira ida à Paris, em 2011).

 A Pont Alexandre III e o Grand Palais ao fundo.


 Os lindos jardins do Musée Galliera (Musée de la Mode et du Textile) e as nossas bicicletas.

Musée Galliera (Musée de la Mode et du Textile).

 


Lá do jardim dava para ver a Torre Eiffel, por já estar bem perto do Trocadero (muito amor)!
 
Brinde com o grupo muito legal que fez o passeio de bike, fazia parte do piquenique no Musée Galliera! 
Dia muito especial!

Passei o restante do dia no Centre Georges Pompidou, maravilhoso!

Para pedalar sem usar roupas esportivas, eu escolhi peças confortáveis e que dariam conta do vento, assim como a ida ao Centre Georges Pompidou, que eu emendei na sequência.

Escolhi usar meu amado vestido Coco combinado com legging e botinha. Por cima, um casaco térmico e minha gola de tricô. Aliás, a Claudia do Superziper bolou esse projeto exatamente para poder andar de bike sem se preocupar se o cachecol estava afrouxando, realmente cumpriu super a função!

Saí de cabelo preso, pois achei que estaria menos descabelada no final (mas no fim das contas nem dei bola, rs) e maquiagem simples com batom vermelho, um amor para toda a vida!

Vamos ao look?




Vestido Coco com malha de algodão orgânico: molde Tilly and the Buttons (Inglaterra), tecido Frau Tulpe (Berlin)
Legging: Zara
Bota: Schutz
Casaco térmico: Uniqlo (Paris)
Gola de tricô: lãs compradas na Joann's (San Francisco) e projeto do Superziper.
Mochila: Izabelle Nossa.
Batom: Ruby Woo (Mac)

Mais informações sobre o passeio de bicicleta do Conexão Paris aqui. A Fernanda e o Rodrigo, que foram nossos guias, são incríveis! Vale super a pena acompanhar o blog também!

Já fiquei com saudades de Paris (e do frio também)!

Beijos!

14 de jan de 2015

Moldes Amelie Clothing

Oi pessoal, tudo bem?

Hoje vim contar para vocês sobre uma lojinha de moldes que está entrando para minha lista das preferidas. É a Amelie Clothing, que fica hospedada no Etsy (já falei dele aqui).

O primeiro molde que comprei dessa loja foi o foférrimo Floral Dress. Ele é um vestido super charmoso, repleto de detalhes femininos e que foi suuuuuper fácil de fazer. Tirando a parte do viés, que para mim foi um desafio (lembram do meu medo de viés?) o tutorial é muito bem feito, você sequer precisa ler em inglês, basta acompanhar as fotos que consegue terminar o modelo tranquilamente. O resultado é excelente! Fofura e bons acabamentos garantidos!


  Não é o cúmulo da fofura?

Nesta compra, também arrematei a bata Floral Tunic, que até hoje não fiz (mas entrou para a lista de prioridades e assim que testada conto aqui para vocês!)

 Aguardem a minha versão em breve!

Após essa primeira compra, estava fuçando os moldes na internet em busca de um jumper básico, igual ao que eu desenhei nas aulas de modelagem da super mestra Isa, mas eu queria de todos os tamanhos. Encontrei na Amelie o A Line Reversible Dress e comprei.

Já usei nessa versão, em linho japonês: 


 Frente e verso, esse tecido é uma riqueza só!

Este modelo dispensa comentários, porque é super fácil, nível iniciante zero e agrada todo mundo porque é prático e versátil (dupla face e dá para usar com camiseta por baixo ou sem), mas já é bem conhecido né?

Então parti para o Adria Dress, que passou a ser o meu preferido, vejam porque:



O vestido do site e a minha versão em bolinhas roxas, laços nos ombros e atrás... sem comentários!!!

Esse vestido é daqueles apaixonantes, porque além de ser lindo, ter a maior cara de festa, vestido que arrasa total, ele é suuuuuuper simples de fazer!

Fiz o primeiro e o segundo já está a caminho, aguardem!

Depois de todos esses entrei de novo no site e não resisti, arrematei uma nova túnica. Assim que ela estiver pronta e a bata floral também, volto para contar para vocês!

Beijoca,
Ana

12 de jan de 2015

Costuras da Semana!

Olá!

Não gosto de ficar reclamando do clima, até porque reclamar não resolve nada, mas na última semana as costuras renderam menos por conta do calor absurdo que tem feito em São Paulo. Na verdade, eu concluí que as nossas casas é que não estão preparadas para um calor ou um frio mais intenso. 

Depois de dias suando loucamente ao fazer as coisas habituais de casa e também para costurar, transferi ontem (temporariamente) a máquina de costura para a cozinha, onde eu espero que o ar condicionado de rodinhas dê conta do recado.

Por ter um cantinho reservado para costurar, não gosto muito de costurar na cozinha, mas meu quartinho tem virado um forno logo pela manhã, quando o sol bate direto na parede e deixa o ambiente quente pelo resto do dia.

Mudança temporária feita, prossegui com um projeto que comecei mesmo com esse calor todo: uma jaqueta bomber quiltada. Apesar de parecer loucura, tenho planos de usá-la muito em breve, por isso vai valer a pena fazer uma peça quentinha em pleno janeiro.

Ainda não tem muito para mostrar, então aqui vão alguns "petiscos" que postei no Instagram:

Molde da Papercut Patterns e mais um tecido Liberty que eu amo!

Quilt pronto!

Estou super animada com esse projeto, o primeiro de 2015. Logo menos mostrarei em detalhes!

Por enquanto é isso!
Beijos e boas costuras!

9 de jan de 2015

Look do dia - Réveillon em Copacabana!

Olá!

Eu tinha planejado o look do ano novo beeeeem arrumadinho, com sapato de salto, brincos enormes e tal. Eu e o marido resolvemos apenas em dezembro que passaríamos o Ano Novo no Rio, mas sem nenhum plano específico para a noite da virada. Era bem capaz que passássemos no hotel mesmo, aí a arrumação faria sentido.

Mas pintou um convite para ver a festança em Copacabana, no apartamento da família de uma amiga querida (beijo, Vê!) e parte desta arrumação foi deixada de lado.

Primeiro porque mesmo à noite fez uns 30 graus, depois porque tivemos que andar de Ipanema até Copacabana e, por último, porque já que estaríamos lá tínhamos que estar prontos para aproveitar a festança com pé na areia (mas ficamos só no apê-camarote, de tão bom que estava, rs!)

Por isso, meu vestido de piquê ganhou uma produção mais simples, de acordo com a situação praiana: Melissa baixinha para poder andar numa boa, cabelo preso com coque simples e baixinho porque sou calorenta e brincos pequenos. Do plano inicial sobraram só o anel grande e a maquiagem, rs!

Fiquei feliz por ter começado o ano realizando uma vontade antiga, de passar um réveillon no Rio. Participar de algo tão lindo e grandioso foi muito especial para mim, além de ter sido super tranquilo. Sinal de que já devo ter começado 2015 bem, amém!







Depois de relembrar esta lindeza toda, vamos ao look?




Vestido: tecido de piquê de algodão comprado no Fernando Maluhy (Centro - SP), molde do vestido Lonsdale da Sewaholic Patterns (Canadá).
Sandália: Melissa Aranha Hits
Anel: Camila Klein
Brincos: Tiffany's
Batom: Flat Out Fabulous (MAC) 

Tempos atrás, vi no blog da Colette Patterns que a Sarai tinha feito este vestido em piquê branco mas tinha mudado um pouco a saia e acrescentado algumas pences. Olhando o site de moldes Sewaholic, gostei tanto do modelo como ele era e da ideia da Sarai de fazê-lo em piquê que comprei o molde. Ele ainda não tinha a versão em PDF, então tive que aguentar a ansiedade de esperar chegar pelo correio (levou umas 2 semanas). Gostei muito do molde e das instruções, recomendo! Fiz do jeito que estava lá, sem modificações. Ah, para ficar na altura do joelho eu tirei uns 17cm do final da saia, então deve dar bem certo para quem é mais alta ou para quem fazer um modelo midi!

Eu gostei muito das proporções entre a saia godê e o detalhe cruzado da parte de cima. A luz do quarto do hotel não era aquela maravilha então não fotografei as costas, mas o laço atrás também fica bem fofo (mostrei no cabide aqui)!

Depois, pensando numa possibilidade de evento festivo no futuro, esse vestido ficaria lindo na versão longa, num tecido bem leve como um chiffon, né?!

Gostou? Eu adorei!

Beijos!

Poderá também gostar de:

Related Posts with Thumbnails