27 de jan de 2016

Look do Réveillon: Vestido estampado (Laurel Dress)

Olá!

Ontem contei aqui no blog como foi gostoso produzir algumas peças novas com tecidos e moldes que eu já tinha em casa. A primeira peça foi um vestido para usar na passagem de ano.

Como eu fiz vestidos lisos por dois anos seguidos e achei que seria demais ter outro vestido branco e liso no armário, resolvi usar este tecido lindo de barrado que comprei em Berlin. Por formar este barrado, ele só era vendido por metro, assim não cortava a estampa.

Eu tinha dois metros do tecido de algodão (lembra os tecidos Liberty de algodão que uso vez ou outra, bem macio), mas queria usar só um, para não inutilizar o outro. O vestido teria que ser simples para poder ocupar os 1m de altura por 1,40m de largura, sendo que meu tamanho não é dos menores, rs!

Recorri ao molde do vestido Laurel, da Colette Patterns, pois não possui recortes e as pences são discretas. Por não ter tecido suficiente para fazer mangas, passei sem elas mesmo. O que sobrou do tecido virou o viés que usei nas cavas e decote.

Foi bem tranquilo de fazer, mesmo com as pequenas modificações de tamanho e do zíper que deixou de ser traseiro e virou zíper lateral.

 
Post com mais fotos do vestido pronto aqui.

Festejamos em casa com parte da minha família, pois foi o primeiro Ano Novo só com o Luke e não quis deixá-lo sozinho por conta dos fogos. Mas preciso confessar que ele parece nem ter ligado, ufa!

Usei o vestido com minhas espadrilles clarinhas, pulseira e brincos prateados e maquiagem com brilhos e batom vermelho. E o cabelo cinza tão desejado e que eu estou amando ficou ajeitado depois de um babyliss.


 E o quanto esta estampa é rica?


 Luke agradece a companhia na noite com tantos fogos, rs!

 Fofinho!

Vestido: tecido de algodão estampado comprado na Idee Creativmarket (Berlin), molde do vestido Laurel, da Colette Patterns (EUA).
Espadrilles: Cervera

video
Um brinde a 2016!
Desejo que seja muito bom e tranquilo para todos nós!

Beijos!

26 de jan de 2016

Costuras "Vapt-Vupt" de Final de Ano!

Olá!

Este post é para contar uma produção no melhor estilo "costuras da semana" misturada com "costura vapt-vupt"!

Entre o final do dia 29/12 e o final do dia 30/12 eu fiz três peças de roupas! Como saiu tudo tão rápido? Eram projetos simples, que eu já tinha feito antes (ou seja, já estava por dentro do processo de como fazer) e que os moldes estavam praticamente prontos para usar. Eu já tinha também todo o material em casa e não precisei sair para comprar nada, uma maravilha!

O primeiro projeto foi fazer um vestido para usar na virada do ano. Enrolei até onde deu por conta da dúvida do que fazer e que tecido usar. No fim das contas, fiz um novo vestido Laurel, da Colette Patterns, sem mangas. O primeiro que fiz é este aqui.

As alterações em relação ao primeiro vestido que fiz foram:
- O tamanho do vestido mudou, para menor.
- Fiz o vestido sem mangas, arrematando as cavas com viés do próprio tecido, virado para dentro.
- Passei o zíper invisível para a lateral (o projeto original indicava colocar o zíper no centro das costas). Antes de fazer essa mudança, testei no vestido mais antigo se ele passava pela cabeça sem abrir o zíper e deu certo.
- Fiz todos os acabamentos (de cavas, decote e barra) à máquina, para agilizar o processo todo.

As mudanças de mangas e zíper foi por um motivo: queria cortar o mínimo possível a estampa, que é enorme e forma um barrado. Este tecido é um algodão lindo comprado em Berlin faz tempo (post aqui) e eu tinha que fazer a peça encaixar certinho na altura deste desenho. Deu certo!

 Vestido pronto!

Detalhe do decote e das cavas, todas acabadas com viés do próprio tecido. 

As pences das costas não atrapalharam o desenho, ufa!

Feliz em terminar este vestido a tempo de usar no Réveillon, fiz duas novas peças de malha. Cheguei ao meu terceiro top cropped Astoria (da revista Seamwork), rs! Modelos que a gente ama é assim mesmo, né?! Aqui está o primeiro e aqui está o segundo.

Usei a versão de mangas compridas para o moletom mostarda com efeito de matelassê que comprei na viagem de novembro (post aqui). Usei o molde mais folgadinho que tinha tirado para o top em moletom cinza para que pudesse usar por cima de outras blusas ou camisas.

 
Segunda peça do dia pronta!

Detalhe do decote.

 Mangas compridas, acabadas com costura com agulha dupla.

Por último, uma nova camiseta Plantain, da Deer and Doe. A primeira camiseta que fiz com este molde está aqui. Como o tecido que eu tinha era suficiente apenas para uma camiseta com mangas curtas, assim ela foi feita. Tanto o moletom mostarda quanto esta malha linda de viscose foram compradas para estes projetos.


 Mangas curtas que ficaram fofas!



Eu estava "de mal" da minha overloque no dia (a relação de amor e ódio continua...), então todas as peças foram costuradas na minha Novinha, com o acabamento do vestido feito em ziguezague e com as peças em malha costuradas com ziguezague quase retos e agulha específica para malha.

Fiz alguns Snaps neste dia para contar mais e também ter uma noção de tempo destas produções. Foi um dia delicioso de costuras, dá só uma olhada:

Se o vídeo não estiver aparecendo, o link para o vídeo é este aqui.

Assim, pude entrar de férias com peças novas para usar. São simples, mas especiais por conta dos tecidos utilizados, foram feitas sem grandes trabalhos e aproveitando tanto tecidos quanto moldes que eu já tinha em casa! Isso vai ao encontro do que contei no post de costuras mais econômicas, fiquei muito satisfeita por manter os planos de continuar a costurar sem gastar muito ou desnecessariamente!

Gostou? Nos próximos dias eu mostrarei a estreia de cada peça!

Beijos!

22 de jan de 2016

Presentes de Natal: Amigurumis de Crochê!

Olá!

No último Natal consegui cumprir uma missão muito especial. É uma missão que tento cumprir todos os anos, mas na maioria deles eu não consigo: fazer eu mesma os presentes das crianças de casa.

Então, para não acontecer de novo, assim que terminei a minha blusa de tricô em outubro (posts sobre a blusa pronta aqui e aqui), aproveitei as aulas da Novelaria com a mestra Solange para aprender a fazer amigurumis de crochê.

Os amigurumis em crochê em geral usam pontos baixos e são feitos de maneira circular. O que dá forma e volume aos bichinhos são os aumentos e diminuições feitos em algumas partes.

Como eu já sabia fazer crochê, o maior aprendizado foi adaptar os conhecimentos que eu já tinha para fazer os bonecos, com dicas preciosas da Solange para ficarem bem acabados, sem buracos ou "degraus" entre carreiras.

 
Começando uma cabeça.

 
Começando uma perninha.

Para as minhas duas meninas (Ellen e Helena), fiz duas coelhinhas brancas. Fui fazendo as duas em paralelo, o que me ajudou a treinar e também a tirar eventuais dúvidas.

 

Para deixar as coelhinhas mais fofas, pomponzinhos no bumbum, saias rodadas e sapatinhos.

 





O toque final ficou por conta dos rostinhos bordados.

 

Já para o Marco Antonio eu fiz um monstrinho. Eu bolei este amigurumi sozinha em casa, com base no que eu lembrava de um outro monstrinho que comprei um tempo atrás para presentear.

 

Para ficar diferente do acabamento das coelhinhas, decorei com olhinhos de botão (de tamanhos diferentes) e boquinha bordada em vermelho.

 

Fiquei feliz com o resultado e por ter feito os presentes a tempo! As crianças também gostaram, foi muito gostoso vê-las brincando com os amigurumis!



  


As lãs usadas são todas da Cisne (Todo Dia e Todo Dia Colors), nas cores branca, listrada vermelha e listrada preta e agulha 3.

Eu adorei todos os amigurumis, foi uma delícia fazer!

Beijos!

20 de jan de 2016

Enfim, Modelista!

Olá!

Um dia depois do meu aniversário, quase que como um presente, concluí uma etapa muito importante na minha jornada costurística: o curso de Modelagem no Senac.

 

Foram muitos sábados (de maio a dezembro do ano passado) intensos, agradáveis e produtivos. Hoje fico muito feliz em dizer que não sou "só" publicitária, mas modelista também.


Aprendi muito, conheci pessoas incríveis e apostei numa formação mais formal e completa que eu nunca tinha tido antes na área de costura/moda.

Quando comecei a costurar em 2011, eu não pensava nem um pouco em fazer roupas, porque achava que já tinha muita gente fazendo e fazendo bem (o que não deixa de ser verdade). Ainda mais morando em SP, que tem uma grande oferta, uma hora a gente acaba achando algo com a nossa cara.


Só que chegou uma hora que costurar acessórios e coisas para casa já não me bastavam mais. E as visitas às lojas de tecidos me deixavam cheia de ideias do que eu poderia fazer com eles se eu soubesse fazer as minhas próprias roupas.

 

Ao longo do tempo fiz aulas de corte e costura e também algumas oficinas que me deixaram bastante confiante para fazer minhas roupas sozinha em casa. Aprendi a tirar os moldes e adaptá-los às minhas medidas, aprendi a costurar e dar acabamento às peças.

Só que eu acabei direcionando todo este aprendizado para o meu gosto, para meu corpo e para o que eu queria vestir.

 

Quando recebi o convite para dar aulas de corte e costura no ano passado (contei aqui), vi que estava na hora de dar um passo adiante. Precisava saber fazer peças que ainda não tinha feito e entender mais a fundo a modelagem delas, já que cada pessoa tem seu estilo, gostos e vontades diferentes. Assim como o corpo de cada pessoa é diferente também.

Entrei no curso de modelagem de roupas femininas em tecido plano com a expectativa de preencher as lacunas que eu sabia que tinha no meu aprendizado e posso dizer agora que atingi meu objetivo.

Foram meses bem puxados, pois além de modelar e costurar na aula, eu repetia em casa, com as minhas medidas para treinar e poder ter como provar. No curso tudo era feito para o manequim 38, mas o método francês estudado permite aplicar para qualquer medida, o que é ótimo!

 
Camisa tamanho 38. Amei fazê-la!

Passei por modelagem de saias, de blusas e camisas, de vestidos e de calças. Foram muitas variações de todos os tipos de peças, todas modeladas e depois costuradas.



Peças que costurei após ter feito a modelagem com as minhas medidas.

Encerrei o curso com a sensação de missão cumprida, mas sei que preciso estudar continuamente, só assim aprimorarei meus conhecimentos. Assim como outros aspectos da minha vida, é uma jornada que parece estar só começando.

 
Obrigada mestra Angélica!

Cheguei ao fim de 2015 muito cansada, mas também muito satisfeita por ter feito o curso e por ter me jogado "de cabeça" na modelagem.

Que venham muitos outros aprendizados como este, tenho planos de continuar estudando!

Beijos!

19 de jan de 2016

Look do Dia: Macacão comprido!

Olá!

No meu aniversário, escolhi passar o dia quietinha no meu canto, costurando sozinha no meu ateliê, como contei ontem. O final de semana seria movimentado e este seria o presente para mim mesma: terminar de costurar uma peça nova aproveitando o silêncio de casa.

Já tinha começado o macacão uns dias antes, pois sabia que, com a correria habitual de dezembro, teria que fazer aos poucos, mas em tempo de finalizar com calma no dia 18/12.

O modelo escolhido foi o macacão Judith da Schnittchen, um site alemão de moldes. Quando comprei o molde, a intenção era treinar o costurês em alemão, mas na correria de dezembro fiz a peça seguindo as instruções em inglês mesmo. Além das instruções que vieram com o molde, tem um tutorial com fotos para as partes que necessitam de mais detalhes, achei muito bom!

Vi a peça pela primeira vez na Rachel, do House of Pinheiro, quando ela fez um macacão curto de viscose que ficou uma graça! Resolvi que faria um macacão destes também, só que longo, como está no molde.

O tecido que usei foi um algodão da Liberty preto com uma estampa muito rica de pássaros, plumas, libélulas e pérolas. Achei legal para uma ocasião como o meu aniversário e ficou guardadinho até esse momento.



Vamos ao molde: eu fiz conforme as indicações de tamanho fornecidas no molde. Na parte de baixo eu ajustei um tiquinho pois tinha que fazer caber no tecido e deu certo. O que eu deixei passar foi que, como as pernas são afuniladas, não serviram nas minhas panturrilhas avantajadas, rs!

O jeito foi soltar todas as costuras das laterais e entrepernas e costurar novamente quase na beirada (grudado no overloque de acabamento). #vivendoperigosamente. Já as alturas da peça deram certinho para mim, assim como mangas e decotes. Senti falta de bolsos, mas ok, dá para passar sem.

As mudanças que fiz:
- Coloquei a faixa do elástico um pouco para baixo do que indicava no molde, para não acontecer de subir tudo como no vestido Bettine. Usando essa experiência do vestido como referência, também não deixei o elástico muito justo.
- O modelo pedia um fechamento com zíper na parte central das costas. Mas vamos falar a verdade que é difícil lidar sozinha com zíper nas costas de um macacão, por exemplo, para ir ao banheiro. Fiz como a Rachel: fechei um tanto das costas e deixei aberto do decote até um pouco abaixo da linha do busto.
Fechei o decote com um ganchinho pois queria acabar logo, mas ali merecia um botãozinho bonito com alcinha, eu sei, rs!
- Indicavam forrar as mangas com um tecido contrastante, mas resolvi fazer do mesmo tecido, já que as sobras do tecido do macacão não dariam para fazer nenhuma outra peça. O que resultou numa confusão entre saber o que era forro e o que era parte externa, mas que me acertei no final.

 

 



 

Usei o macacão no dia seguinte do meu aniversário, para o encerramento do curso do Senac (yay!) e também iria para o bar depois da aula para comemorar o meu aniversário com alguns amigos. Estava bem quente no dia e fiquei super confortável com o macacão. Dobrei a barra e usei com tênis (novidade #sqn).




Gostei tanto que repeti a dose no almoço de Natal na casa da minha tia, mudando apenas o cabelo (porque passar pelo ruivo, loiro e branco não era suficiente para um ano só, rs) e o batom de vermelho para o roxo!

 

 
Macacão: tecido de algodão Liberty comprado na Westwing, molde Judith da Schnittchen (Alemanha).
Colar: Camila Klein
Tênis: All Star

E assim minha coleção de macacões vai aumentando, tenho mais um na fila para fazer!
Gostou?

Beijos!

Poderá também gostar de:

Related Posts with Thumbnails