30 de abr de 2015

A Poesia da Costura

Olá!

Não é novidade pra ninguém que eu e minha sócia costurística Katia amamos a costura e falamos nisso o tempo todo, né?!

Mas que tem um bocado de gente que encontra poesia na costura eu ainda não falei por aqui! E também não contei que ando me enveredando por esses caminhos poéticos, por influencia de um amigo muito querido que, orgulho-me em dizer, é poeta; e dos bons!

Sempre que me deparo com uma lindeza dessas, não aguento e coloco logo no facebook (amor declarado é assim!) porque acho que está faltando um tanto de beleza na vida da gente.

Dessa vez, resolvi reunir algumas dessas jóias e dividir especialmente com vocês, espero que elas deixem o dia de vocês mais colorido!

Dedico essas doces poesias às leitoras costureiras, que com certeza se identificarão ao ler esses versos!

Beijoca,

Ana
____________

 
(Phoebe Wahl)

A costureira
(Eucanaã Ferraz)

Ela ouve o tecido, ela pousa
o ouvido, ela ouve com os olhos.
À fibra e ao feixe interroga

sobre o que se entrelaçara,
distinguindo a linha, o intervalo,
o vão, o entreato, atenta

para o que na fala geométrica
e repetida dos fios é um outro
vazio: o de antes da trama, ato

anterior ao enredo; óculos
postos para a escuta, a escuta
desfia-se no vento, o olho

flutua, folha, flor, agulha;
fecha os olhos; ouve
com as pontas dos dedos;

indaga do tecido o modo,
os limites, a função, a oficina,
a forma que ele quer ter,

a coisa, a casa que ele quer ser;
e costura como quem à mão
e à máquina descosturasse

o dicionário, rasgando em moles
móbiles seus hábitos, o vinco
de sua farda.


A Costureira
(Paulinho Tapajós)

Velha costureira
Companheira como está?
Não levante da cadeira
Só vim perguntar
Se um peito rasgado
Você pode costurar
Com agulhas da alegria
E os fios de raios de luar
Quero um sol bordado
No meu coração
Pra aquecer no peito
Uma grande paixão
E eu lhe pago assim que puder
Com a nova canção
Que eu fizer


Caixa de Costura
(Flora Figueiredo)

Venho costurando minha vida
com linhas de saudade.
Procuro equilibrar-lhes a cor
para que o resultado final não seja triste.
Por vezes, é o cinza que insiste;
por vezes, impera o marrom.
Ainda bem que tem saudade bonita;
mudo o tom, amarro fitas,
busco a outra ponta do novelo;
intercalo a trama em amarelo.
A saudade é assim mesmo,
tecelã do tempo.
Quando menos se espera,
arremata o momento, leva embora,
deixa a porta encostada, o cadarço de fora,
e nunca avisa a hora de voltar.
Ainda hei de costurar com verde florescente
e, se a saudade chegar autoritariamente,
vai se sentir enfraquecida.
Enquanto procuro a cor,
vou costurando a vida,
sem saber qual vai ser o resultado.
Caso ele não fique combinado,
dou um nó, encosto agulha, guardo a linha,
que essa culpa roxa não é minha.
É uma artimanha branca do passado.


A costura da poesia
(Alef Lima)

O poeta costura frases,
borda versos,
Desmancha pequenas sentenças.

O poeta tece períodos inteiros
com a agulha da gramática,
a poética.

O poeta faz a barra da saia,
Escolhe as estampas 
e a cor da poesia.

O poeta toca o tecido,
enrola o pano da escrita
e da por fim contornos ao molde.

O poeta tinge a sonoridade das rimas.
Se preciso desfaz o babado
e recostura o mal-costurado.

A poesia é a linha que usa ao recompor cortes usados.

28 de abr de 2015

Costuras da Semana!

Olá!

Na verdade o post é de costuras de três semanas... Foram dias muito intensos em vários sentidos, mas estava na hora de voltar, contei aqui como foi.

Nas aulas de Patchwork eu estou fazendo uma capa para a minha overloque Encantada com um detalhe em chevron. Em duas aulas, a parte de fora ficou pronta e quiltada, agora vamos para a montagem.

Em progresso, inclusive com os alinhavos, rs!

Aqui estão os tecidos lindos que comprei na feira de Patchwotk. São uma mistura de linho com algodão, da Retalharte, empresa do Paraná que tinha uma infinidade maravilhosa de tecidos japoneses (queria comprar tudo)!


Comprei também o projeto do Relicário da Lu Gastal, uma graça!


No mesmo dia da feira, aproveitei que estava perto e passei na Dona Dani. Lá eu sempre acho bons tecidos para roupas e fiquei feliz com o que eu trouxe pra casa.

Malhas que vão virar blusas (#veminverno)

Sarja com elastano marinho e couro fake vinho maravilhoso que vão virar saias.

Essas lindezas me deixaram cheia de ideias e de vontade de voltar a costurar, mas um projeto especial (que logo vou poder mostrar e contar) precisava ser terminado antes. Estou feliz por ter voltado a costurar por conta dele!

Por último, reformei meu vestido Coco, de malha de algodão com estampa de folhas. Ele estava enorme (viva!) e com uma aparência esquisita na barra, que eu atribuo ao uso constante e, principalmente, a algumas tentativas de encolher a peça colocando na secadora de roupas (rs).

Feliz novo vestido usado!

Em cerca de 3 horas eu desmanchei, cortei o que precisava sair e refiz o vestido. Foi durante uma madrugada em que eu custei a pegar no sono e aí resolvi costurar. Logo eu farei um post sobre essa reforma.

Por enquanto é isso!
Estava com saudades desse post semanal!
Beijos e boas costuras!

23 de abr de 2015

Obrigada!

Olá!

Aqui estou eu de volta. A rotina está diferente por aqui e nós ainda vivemos o luto pela perda do nosso amado Astor. Ele faz muita falta e tem horas que dói muito a ausência dele. Sei que ele está em um bom lugar agora, olhando por todos nós aqui e sem ter dor ou sofrimento.

Depois que ele faleceu, eu fiquei quieta em casa o tanto que julguei necessário, chorei muito, agarrei bastante o Luke (ele também ficou bem triste, tadinho). Por alguns dias eu não me preocupei em fazer as muitas coisas que ficaram paradas. Até vestir preto na primeira semana eu vesti, porque ao abrir o armário as cores estavam coloridas demais para mim.

Voltando a sorrir.

Desde então, recebemos tanto amor e tanto carinho! Foram muitas mensagens, visitas e ligações das mais sinceras. Muitos abraços apertados e sentimentos de respeito e solidariedade pela nossa perda. Isso nos ajudou, nos emocionou e confortou muito, eu só tenho a agradecer em nome de nós três!

Entrei no meu quartinho algumas vezes e não quis costurar. Continuei os meus novos projetos bem mais devagar. E então resolvi respeitar esse meu tempo de luto.

Projeto novo.

Até que um dia eu entrei no meu quartinho para pegar meus materiais para a aula de Patchwork. Foi o único dia em que costurei nestas duas semanas. E fiquei feliz de poder ir lá na Fon Fin Fan costurar com outras pessoas tão legais. Acelerei a máquina e ri bastante, eu estava precisando desse empurrãozinho! Semana que vem eu mostro um pouco do projeto novo das aulas.

A única costura em dias, lá na aula de Patchwork.

Em casa, a vontade de costurar simplesmente não aparecia. Fiz uma arrumação no meu quartinho, pois mesmo se a vontade batesse, a bagunça era tanta que não daria para costurar. Aliás, ainda não dei conta da bagunça toda, espero resolver isso ainda esta semana.

Mas depois de um passeio na última feira de Patchwork e numa loja de tecidos que gosto muito, voltei para casa com tecidos novos e com vontade de dar um destino rapidinho para eles. Então com certeza logo voltarei a costurar em casa.

Feira de Patch, com Andrea Risério e Lu Gastal, sempre muito queridas!

Neste último feriado eu bolei um pequeno desafio de looks, o que mostrou para mim mesma que já estava na hora de retomar as atividades do blog. O marido pacientemente fotografou tudo (tks, Ri!). Por conta disso, fiquei mais animada e consegui não vestir só roupas pretas. Logo mostrarei por aqui.

Feriado com Luke preguiçoso e looks feitos por mim.

Na 3a feira jogamos as cinzas do Astor no caminho em que ele passeava todos os dias. Foi emocionante, mas tranquilo. São Pedro mandou uma chuva daquelas, mesmo assim conseguimos nos despedir como eu imaginei que seria. 

Tchau, Astor. Agora você está no seu lugar favorito.

Enfim, estou retomando as atividades do blog a partir de hoje, ainda que num ritmo mais lento, pois com tudo o que aconteceu, estou muito atrasada com os estudos de alemão e duas provas para fazer nas próximas semanas. Depois que este assunto estiver em ordem, vai ter post todo dia.

Beijos, obrigada pelo carinho mais uma vez e boas costuras!

10 de abr de 2015

Tchau, Astor!

Estou escrevendo este post para contar que meu filhote Astor partiu na última 4a feira. Depois de lutarmos desde janeiro contra o câncer que ele tinha, chegou a hora do meu anjinho descansar lá no céu.

 

Eu tinha programado posts de assuntos normais aqui no blog, para ontem e para hoje. Mas eu não vou conseguir publicá-los agora. Porque o que eu tenho na minha cabeça agora é apenas a lembrança boa desse companheiro incrível e uma saudade enorme, que dói demais. Não seria verdadeiro comigo mesma nem com você que lê o blog tratar como se nada estivesse acontecendo por aqui.

 

Por enquanto, estou me dando um tempo para me ajustar à rotina sem ele, para chorar, para lembrar dos seus lindos momentos com a gente. Luke, o irmãozinho mais novo, o procura pela casa, é muito triste quando vejo isso acontecer. Preciso cuidar dele também. Minha família inteira está muito abalada, porque todos nós perdemos um membro muito amado.

 

O blog ficará sem posts novos por alguns dias, até que a costura volte a ser minha maior terapia e eu esteja bem para contar aqui.

O Astor adorava ficar do meu lado enquanto eu costurava. Ele era um amor e não bagunçava nada, em qualquer lugar da casa. Apesar do meu quartinho de costura ser pequeno, ele sempre parecia confortável lá. Dormia um monte enquanto eu acelerava a máquina, aí acordava depois de um tempo e dava uma choradinha de manha para me chamar. Ele sempre foi muito carinhoso e manhoso. Eu parava o que estava fazendo, dava um beijo nele, olhava bastante para aqueles olhos grandes, espertos e meigos, dava um cafuné e conversava um pouco com ele. Aí ele dormia de novo. Dias assim eram dos mais simples, mas eram dias que enchiam meu coração de alegria.

 

É um amor que eu nunca imaginava experimentar na vida, até que o Astor passou a fazer parte de nossa família, em 2003. É não fazer diferença se você é bonito ou feio, gordo ou magro, se tem grana ou não, se tem o trabalho "x" ou "y" e assim por diante. O que importa é apenas o amor, é um cuidar do outro. Ele era só amor e eu aprendi muito com ele nesses quase 12 anos.

 

A saudade dói demais, mas sei que uma hora eu vou conseguir costurar sem que ele esteja ao meu lado e aí eu estarei aqui de volta para contar.

Beijos!

8 de abr de 2015

Blog e Canal de vídeos “A costureirinha”

Olá!

Não é novidade para ninguém que nós costureiras encontramos dicas sobre absolutamente tudo do mundo costurístico na internet.

Eu, como adoro fuçar, estou sempre em busca de novos blogs, sites, moldes e tutoriais para me inspirar e para aprender cada vez mais.

Foi assim que encontrei a série de vídeos da Elisa Dantas. Ela tem um blog chamado "A Costureirinha", uma loja virtual e também dá aulas de costura de um jeito moderninho e descomplicado, do jeito que a gente gosta!



Descobri a Elisa buscando na internet por aulas de costura específicas para acabamento. Um tempo depois ela apareceu na Eduk com um curso super charmoso de enxovais para o quarto. Assisti o curso, que foi ótimo (recomendo muito para quem tem interesse em fazer jogos de lençol, fronhas perfeitas e almofadas pra lá de caprichadas) e foi durante as aulas que fiquei sabendo sobre os vídeos do youtube.



O canal também se chama "A Costureirinha" e tem uma série de vídeos ótimos chamados Descomplica, que justamente traz projetos fáceis, bastante indicados para iniciantes e também para quem quer praticar costura produzindo peças bem bonitas que dão pouco trabalho, perfeito não?

E tem de tudo: alfineteiro, bolsa, nécessaire, blusa, avental, carteira, fronha e até barra de calça jeans!



Vale a pena visitar colegas costureiras e costureiros, tenho certeza que vão se animar para fazer alguns dos projetos!

Beijoca,
Ana

7 de abr de 2015

Costuras da Semana!

Olá!

Semana passada eu não tive muito tempo para costurar. Só não estou triste porque está sendo por um motivo muito legal, que eu espero poder contar em breve, quando as coisas se concretizarem. #novidades

Na aula de Patchwork, fizemos a bolsinha para celular. Como o modelo é calculado conforme as medidas do aparelho, ficou perfeito! Por fora ainda tem um bolsinho charmoso (para levar o dinheiro ou o cartão)!

 
Bolsa para o celular pronta!

 
Frente e costas.

Bolsinho do lado de fora com detalhe fofo!

Tamanho perfeito!


O conjunto do bimestre está pronto, adorei!

Hoje eu começarei o conjunto de projetos de abril e maio, de peças para o ateliê em chevron feito com a técnica do triângulo perfeito. Como em breve devo dar uma geral no meu quartinho, estou bem empolgada em produzir peças novas para o meu cantinho!

O feriado foi de bastante descanso e um tanto de tricô, com uma lã linda que ganhei da Ana. Aproveitei que eu e o marido começamos a assistir Game of Thrones (antes tarde do que nunca, rs) e depois de duas tentativas que não funcionaram, consegui fazer uma gola nova de tricô. Logo mostro o tutorial por aqui!


Lã maravilhosa!


E o tricô feito com ela?
Tô apaixonada!


Pronta! #veminverno

Esse feriado veio em boa hora, coloquei meu sono em dia, fiz tricô e fiquei meio desligada do mundo, às vezes é muito bom conseguir fazer isso! Comecei a semana bem descansada, mas infelizmente uma tia da minha mãe faleceu ontem e, por conta de irmos ao velório, este post está chegando com um dia de atraso.

Por enquanto é isso!
Beijos e boas costuras!

6 de abr de 2015

Um salto no tempo

Olá!

Colocar as mãos para construir algo "do zero" realmente engrandece. Dá poder.

Eu não sou a rainha da auto estima. Como todo mundo, tenho uma porção de defeitos, uma porção de coisas que me fazem sentir inferior, um tanto de limitações. Sou uma pessoa que passa muito tempo do dia sozinha. E quando os tempos estão difíceis, os problemas fazem os meus pensamentos irem looonge e nem sempre volto com uma solução. Quem nunca se sentiu impotente?

Mas quando estou com um projeto nas mãos, eu sou eu mesma. Sou uma pessoa capaz de realizar aquilo, por mais que tenha alguma dificuldade para superar. Por mais que tenha de desmanchar e refazer mais de uma vez. Não tem problema se estou sozinha. Não deixei de praticar a costura por quatro anos seguidos, porque é uma chama que felizmente nunca se apagou.

Post de 04/04/11, resgatado do meu Twitter. 
Sei lá se mandei bem nessa primeira aula, mas que saí dela orgulhosa de mim mesma eu saí!

Quando eu postei essa imagem vinda do Timehop, um aplicativo que "fuça" suas redes sociais e recupera posts de exatos 1, 2 ou até 5 anos atrás, tudo isso me veio à cabeça.

Compartilhei e mencionei como aquele primeiro passo com a Patricia, lá no apartamento dela em Pinheiros, mudou a minha vida. Nesse tempo conheci um monte de gente legal que acredita nesse poder de transformar um material em algo único e que esse processo te engrandece de volta. Nesse sentido, foram 4 anos muito intensos, como eu nunca tinha vivido!

Recebi um monte de carinho de outras pessoas que trilharam esse mesmo caminho, foi incrível!

Eu ainda não posso dar detalhes, pois estou planejando tudo, mas posso dizer que este ano será aquele de "dar um passo adiante" e eu estou muito feliz por poder aproveitar uma grande oportunidade na minha vida de costureira.

E como eu acredito muito que coincidências não existem e que essa época do ano é a que as coisas mais legais são descobertas, olha o que me apareceu no dia seguinte:

Post de 05/04/13, resgatado do meu Instagram, quando visitei a Fon Fin Fan pela primeira vez. Lembro que saí de lá encantada com a possibilidade de costurar perto de casa! 
Na época eu disse que era um "oásis da costura" e eu acho que continua sendo!

Estou começando a concluir que esta época do ano representa uma fase de transformação para mim. Notei que alguns passos que dei ou descobertas que fiz (e que acabaram mudando o rumo da minha vida) aconteceram nessa parte dos anos anteriores.

Eu sou muito grata por esse tempo tão legal e tão produtivo e espero num futuro próximo ver os resultados do que está acontecendo agora, mais passos para transformar materiais à nossa maneira e para contribuir com a nossa força e personalidade!

Beijos e boas costuras!

2 de abr de 2015

Look do Dia: Vestido no Valentine's Day!

Olá!

Mais um dos dias em San Francisco em que eu usei alguma peça que eu fiz. Acabou coincidindo de ser no Valentine's Day, mas que na verdade foi dia de turismo com todo mundo junto, já que era sábado e o Gustavo poderia acompanhar a gente.

Primeiro fomos conhecer o Dolores Park, que estava bem cheio por ser sábado e por estar fazendo bastante sol. Passamos um tempo bem gostoso por lá.



Sol e calor no Dolores Park.

 
Happy Valentine's Day!

O vestido Laurel é bem diferente do que eu costumo ter no armário pois é um vestido mais soltinho no corpo. Para compensar isso (rs) eu deixei bem curtinho. A parte boa disso é que dá para usar com calça também, como eu fiz nesse dia.

 




As mangas estão um pouco justas ainda, mas tenho fé que em breve vai melhorar, rs! #oremos. O tecido é um popeline de algodão maravilhoso da Liberty, com estampa de paisley em azul e verde. Em termos de aparência e caimento, lembra muito o nosso famoso tricoline. Por ter gostado tanto da estampa, eu quis fazer esse vestido que não tem muitos recortes. Mas, para dar um charme e um pouco de contraste, apliquei essa rendinha muito delicada de algodão no decote e no detalhe central.

Eu até levei um casaco no dia, mas acabei nem usando. Espero usar este vestido mais vezes nos próximos meses!

Vestido: popeline de algodão Liberty (Londres), renda de algodão Tissus Reine (Paris). Molde do vestido Laurel da Colette Patterns (EUA), versão 3 com mangas 3/4 com babados, com detalhe central vindo do e-book gratutito Laurel Extras.
Legging: Zara
Botas: Schutz
Óculos escuros: Chilli Beans
Batom: Rouge in Love - 159B (Lancôme)

Neste dia fomos também no Embarcadero, onde tem uma vista linda da Bay Bridge e tomamos um café muito gostoso. No primeiro post que fiz sobre San Francisco (aqui) tem mais fotos e dicas da cidade!


Bay Bridge vista do Embarcadero.

Gostou?
Eu adoro este vestido!

Beijos e boa Páscoa!

Poderá também gostar de:

Related Posts with Thumbnails