31 de out de 2014

Livro do Mês - 200 Quadrados de Crochê

Olá!

Aqui no blog, de tempos em tempos, aparece algum projeto de crochê. Preciso dizer que esta técnica manual é a primeira que aprendi e que eu tenho um carinho absurdo. Em casa eu tenho várias coisas de crochê que minha tia fez para a cozinha e para o banheiro e eu adoro!

Quando eu aprendi a fazer crochê eu fazia tanto que sabia uma porção de coisas de cor, como barrados, por exemplo. Depois, fiquei tanto tempo sem fazer que eu esqueci, uma tristeza. Eu também tinha algumas revistas compradas nesse tempo, mas não as tenho mais.

Então, quando preciso de uma "cola" para iniciar um projeto novo por estar sem ideias, eu pego esse livro. Um dia, quem sabe, faço uma colcha com a combinação de tantos quadrados lindos?

Assim como o livro de blocos de Patchwork que mostrei em setembro, este livro também é um bom guia para fazer os quadrados de crochê e depois coordená-los, com sugestão de cores a serem usadas também.

"O livro apresenta mais de 200 projetos de quadrados de crochê para você escolher, indicando diferentes maneiras de combiná-los para fazer lindos cobertores, colchas ou o que a sua imaginação criar. Todos os quadrados tem instruções de execução e gráfico indicativo dos pontos, e as técnicas necessárias são claramente explicadas no início do livro.
Há padrões geométricos inspirados no Art-Déco e os tradicionais xadrezes e listras, além de motivos elaborados. Experimente novas maneiras de combinar cores, padrões e texturas"
O livro dedica um capítulo para misturas e combinações dos quadrados e cores, com projetos ilustrados. A seguir vêm todos os quadrados do livro, com explicação de como fazer cada um.
No capítulo final do livro estão as técnicas de como começar e como trabalhar os pontos, motivos diferentes e crochê circular. Também têm algumas bordas para dar um bom acabamento ao trabalho.

Para quem quiser ter um livro de referência nesse tipo de crochê que forma quadrados, eu acho este muito bom!


Serviço:
Livro: 200 Quadrados de Crochê

Autora: Jan Eaton
Editora: Ambientes & Costumes

Ano: 2010
Site

Beijos!

30 de out de 2014

Moda Retrô para as Crianças

Oi gente, como vão?

Na minha opinião, não há nada mais charmoso que criança vestida de criança e quando paro para observar meus projetos de costura para a filhota ou para os pequenos mais próximos, a primeira coisa que noto é minha preferência pelos modelos clássicos.

Sou doida por uma golinha redonda (hoje em dia conhecida como Peter Pan, sei lá porque!), a rendinha na barra da saia ou um macacão de calça comprida!

Adoro releitura de modelinhos clássicos onde a criança não fica vestida de mini-adulto. Por isso, durante minhas navegações internáuticas, poucas vezes os projetos mais moderninhos me surpreendem. Em compensação, preciso ter muito controle para não ir a falência quando encontro moldes e livros com modelos mais antiguinhos.

Acabei de terminar um vestido clássico, encontrei o tutorial grátis nesse site:

Versão do tutorial e a minha, com algumas modificações (retirei o bolso e apliquei renda na barra).

Adorei o tutorial sobre como desenhar meu próprio molde e o resultado também.

Então me lembrei de mais um tutorial grátis de outro clássico que encontrei no Oliver+S:

Versão do Popover Dress do blog Oliver+S, com direito a vestido igual para a boneca (morri!) e a minha versão de bolinhas com os detalhes em lindas borboletas coloridas.

Esse modelo eu fiz para ser camisola de verão, mas ficou tão charmoso que a Julia acabou usando como vestido também.

Esse molde eu nem preciso comentar, pois já escrevi bastante sobre Olive+S. Como sempre, tanto o molde quanto o tutorial são impecáveis e vale muito a pena fazer como treino, caso você não esteja muito confiante na costura ainda, porque é bem fácil, mas muito bem acabado. O resultado certamente te deixará tão feliz quanto eu fiquei com esse projeto.

Outro projeto retrô que encontrei em minhas andanças na net foi esse macacão:


Além de ser uma fofura é muito, muito fácil de fazer! Fiz dois desses e só parei porque a Juju cresceu e ainda não sei aumentar o molde... snif! Mas acho macacão um clássico do retrô, é prático, veste muito bem e não deve ser exclusivo para os meninos, pois as meninas ficam incríveis dentro dessas lindezas!

E para variar um pouco de tanto modelo feminino, segue um projeto de um bermudão à moda antiga que fiz para meu afilhado:

 

 
A versão do site e a minha, que ficou bem charmosa com a combinação de tecidos!

Bem, além desses, há uma infinidade de outros tutoriais e moldes de modelos clássicos que são lindos e que valem a pena para treinar sua costura. O melhor é que são grátis!

Abaixo você encontra alguns deles, que estão entre os meus preferidos. Alguns já fiz e outros ainda estão por fazer, na lista de projetos costurísticos. Sempre que penso nisso tenho dó da minha filha crescer tão rápido, porque com certeza não terei tempo de fazer todos os modelinhos que gostaria para ela! Bobeira de mãe, sabe?

* Túnica - Sewpony
* Vestido dupla face - Blooms and Bugs
* Vestido com detalhe arrendondado - Call Ajaire
* Macacão estilo jardineira - Ikatbag
* Vestido para o inverno - Ikatbag
* Vestido retrô - 4 en la Carretera
* Vestido - The Ribbon Retreat

Beijocas,
Ana

29 de out de 2014

Projeto Vapt-Vupt: Alfineteiro

Olá!

Se tem uma das ferramentas de costura que eu acho mais fofa, esta é o alfineteiro.
Tenho vários, alguns que fiz, outros que ganhei de presente e alguns xodós que comprei em viagens.
Ainda assim, nunca é demais ter mais um, acho que já está virando uma coleção, assim como acontece com os dedais.

Depois de muita costura para terminar minha capa de lã, reservei uma tarde para arrumar a bagunça acumulada no meu quartinho, para livrar espaço mesmo. Aí cheguei na caixinha com o projeto do alfineteiro com ponto cruz que comprei das meninas do Superziper no último bazar Ó Gente. Pensei: "Sabe o que mais? Vou parar uns minutos para fazer esse projeto."

Enfim, a almofadinha já estava pronta, eu tinha só que fazer o bordado em ponto cruz e aplicar. Usei como referência esta imagem aqui:


Eu adorei o projeto do jeitinho que as meninas imaginaram, então lá fui eu bordar.

 Muito amor!

Lembrando que não é por que o verso vai ficar escondido que não precisa ser caprichado, né?!

 #detalhista


Como pode ter ficado intocado por mais de um mês? Que injustiça, né?!

Que tal buscar materiais que você tenha "dando sopa" para engatar um projeto fofo e rapidinho?
Confesso que esse bordado e o alfineteiro novo alegrou minha tarde de arrumações!

Beijos!

28 de out de 2014

Costura Colaborativa em 3 Gerações

Oi, gente!

A minha lista de projetos de costura que gostaria de tentar inclui inúmeros trabalhos, dos mais fáceis aos mais avançados, sendo que alguns deles eu não entendo muito bem o porque de demorar tanto tempo para sair do papel.

É o caso dessa bolsa, que foi desenhada pela minha mãe e sempre quis aprender a fazer. Ela sempre repetia que era muito fácil, que não tinha segredo, mas nada da bolsa sair da lista e virar realidade.

Em agosto meu marido viajou a trabalho e tivemos a chance de passar a semana toda juntas (eu, a Julia e a minha mãe), costurando e aprontando outras artes! Aguardem novos posts!

Eis a bolsa modelo:

A minha bolsa de vaquinha, tão querida e fofinha... 
Acho que minha mãe me deu há uns 10 anos atrás e ela continua firme e forte! 

Para a nova bolsa, eu queria usar um tecido cru que seria enfeitado com pintura e um forro divertido, então escolhi o clássico vermelho de bolonas brancas!

Quem começou foi minha mãe que, além de fazer o forro, com os bolsos e os detalhes laterais da bolsa, escreveu um tutorial para que eu possa repetí-la quantas vezes quiser... é tão fácil e rápida que com certeza farei outras mais.

Detalhes internos: dois bolsos de um lado, e um grande do outro. 
Usei um botão de pressão como fecho. 

Com o forro pronto, partimos para a parte externa e para a junção de ambas:

Parte externa com os detalhes laterais e com o molde vazado que eu escolhi pintar. 

Encontrei um tutorial super fofo (outro projeto que há meses queria tirar do papel) que decidi usar na decoração dessa bolsa (esse aqui), usando tinta para tecido e a borracha da ponta de um lápis como carimbo. Já estava me preparando para começar a fazer arte quando fui surpreendida por uma ajudante muito interessada em participar do projeto:

Como resistir a uma ajudante dessas?
Lá vai a Julia, compenetrada, carimbando o molde de coração com seu giz de cera, usando tinta branca e vermelha e misturando num rosa intermediário pra lá de lindeza! 

Fiquei tão feliz com nossa costura colaborativa, pela primeira vez a seis mãos de três gerações diferentes. Uma riqueza sem preço, daquelas de deixar a gente com o sorriso bobo por horas!

Não é novidade que morro de orgulho da artista que minha mãe é, mas a Julia seguir os nossos passos nos trabalhos manuais com apenas três aninhos me comove e enche o peito de alegria.

Abaixo vocês conferem o resultado final do nosso trabalho:

É muuuuuuuuuito amor!!!!

Eu já estava satisfeita de tirar esse projeto da minha lista (com o de pintura, são dois projetos a menos, eba!), mas a felicidade de executá-lo junto a pessoas tão especiais é incalculável!

Espero que vocês também curtam!

Beijocas,
Ana

27 de out de 2014

Costuras da Semana!

Olá!

Depois de terminar os porta copos na semana passada, segui com os trabalhos do cestinho oval. Fiz alguns trabalhinhos à mão e amanhã devo juntar tudo lá na aula.

Fundo com matelassê pronto para ser colocado. 
Parte externa do cesto pronta e arrematada com miçanguinhas fofas!

Peguei firme na minha capa de lã e só sosseguei quando terminei. Eu sei que não está na época de usá-la, mas ficar com projeto parado também não é bom. Fora que eu acho que vou poder usá-la em breve (aguarde e confie, rs!).

No fim das contas, depois que peguei o embalo com a capa, nem demorou tanto para concluir. Fiz um ajuste nos ombros, fiz a gola e por dentro dela coloquei um acabamento fofo de renda!

A parte mais demorada foi fazer todos os acabamentos à mão: barra da lã, barra do forro de cetim, pespontos e colocação dos botões. Como eu adoro costurar à mão, rendeu e eu terminei tudo ontem, oba!

Pronta!

 Detalhes que eu amei: forro mais clarinho e acabamentos à mão.

A gola termina em duas tiras longas que amarradas fazem as vezes de uma echarpe ou cachecol, pacote quentinho completo!
E o acabamento da gola com uma rendinha que eu amei!

Com essas costuras em progresso, não consegui evoluir na arrumação do quartinho. Mas entre uma costura e outra eu planejei o que eu vou costurar de roupas novas (só a partir de dezembro). E isso vai gerar alguns posts sobre ateliê e organização dos materiais que me deixou muito animada!

Por enquanto é isso!

Beijos e boas costuras!

24 de out de 2014

E por que você não vende?

 Cestinho feito na aula de Patchwork, linhas para encomenda de crochê para a prima, flor de crochê em progresso para um projeto especial.

Olá!

Esse assunto vira e mexe me faz pensar pois de vez em quando eu recebo comentários e mensagens do tipo "aceita encomendas?". Alguns são como elogios mais que carinhosos, outros são perguntando a sério.

Lembrei de começar esse post ao fazer a primeira leitura das instruções de um molde novo (que estou animadíssima para executar, inclusive). Lá no rodapé da primeira página aparece "esse molde é apenas de uso pessoal". Ou seja, não posso usá-lo para fazer peças com destino comercial, para vender.

Boa parte do que eu já executei de peças até hoje vem de moldes comprados que têm essa característica. Provavelmente os únicos que não devem ter essa restrição são os moldes da revista Burda, que eu também adoro. E eu não passaria dos limites no que diz respeito a Direitos Autorais, eles existem por várias razões e devem ser respeitados. Como eu não sou modelista (mas posso vir a ser um dia, rs) eu não desenho peças "do zero", o que limita minha produção aos moldes prontos que encontro na internet, livros e revistas.

Também não acho certo copiar roupas produzidas por outras pessoas para vender. Quem produziu teve o trabalho de imaginar a peça, pesquisar tecidos, fazer a modelagem, os ajustes, costurar e dar acabamento à cada peça. E deve ter todas estas etapas devidamente remuneradas.

Estou falando sobre isso também porque passar a produzir, principalmente roupas, para outras pessoas iria transformar meu maior Hobby na vida em um trabalho. É um batia dilema! Por um lado, seria trabalhar com o que eu mais amo fazer. Por outro, quando deixa de ser Hobby às vezes a gente se perde.

Isso aconteceu comigo nos tempos de fazedora de Cupcakes. Eu fazia para servir em casa, para o marido levar para o trabalho. Passado um tempo, cedendo à essa perguntinha básica do título, lá estava eu com bolinhos confeitados dominando a minha casa, virou uma loucura e hoje em dia eu praticamente não faço mais. 

Cupcakes de um passado mais ou menos distante.

O problema é que naquela época eu comecei a vender despretensiosamente, sem planejamento. Depois foi difícil dividir o tempo entre administrar, produzir e entregar os bolinhos. Quando se trata de algo perecível, a questão de gerenciar o tempo e priorizar a produção e a entrega era mais determinante. Faltava tempo para as outras atividades. Enfim, foram tempos bons, com muitas alegrias e realizações, mas ao mesmo tempo foi uma época turbulenta.

Eu acho que sim, um dia eu vou passar a trabalhar com algo relacionado à costura e, honestamente, tenho um bloquinho onde anoto minhas ideias, do que gostaria de fazer e do que não quero fazer de jeito nenhum. Com um pouco de planejamento e estudo, em um belo momento alguma das opções do bloquinho pode vir a sair do papel, desde que eu esteja segura de que eu vou dar conta e que estou preparada o suficiente.

Eu li alguns textos sobre transformar nossos Hobbys em carreira, com opiniões diversas. Edgard Corona, fundador da rede Bio Ritmo alega por experiência pessoal que transformar o hobby em trabalho não dá certo (matéria inteira aqui). Eu achei a matéria interessante porque a gente sempre vê relatos de Hobbys transformados em negócio que deram muito certo, mais do que o contrário! A lição que ficou para mim é que a gente tem que pensar bem e se preparar melhor ainda.

Outra coisa a se levar em conta são mudanças de carreira. Algumas pessoas deixam carreiras que já estão estabelecidas para fazer o que realmente se ama. Isso também vai demandar muito de quem faz essa escolha. O post da Ana Soares (sou fã) sobre mudar da carreira de designer para a consultoria de estilo me fez pensar bastante também, principalmente no que diz respeito de aproveitar o conhecimento adquirido em outras atividades para uma profissão nova.

Enfim, por enquanto eu vou costurando só para mim, para a minha casa e para presentear. E "batendo ponto" aqui no blog, claro! Deixo aqui este pensamento, para quem mais estiver neste mesmo momento de transformar um Hobby em negócio.
 
Beijos, boas costuras e bons negócios!

23 de out de 2014

Memórias Têxteis

Olá!

Comecei a escrever este post em um intervalo de almoço, num dia praticamente todo dedicado à arrumação do meu quartinho de costura (que um dia eu conseguirei chamar de ateliê).

Foi um dia de organizar meus tecidos, fazendo fichas de quanto eu tenho de cada um deles. Aí que eu cheguei em uma das caixas ainda intocadas, a mais cheia delas e também a que possui um bocado de histórias para contar.

Pois é, faz um tempo que eu não tenho uma roupa comprada pronta que conte muita história. Mas a caixa com cortes de 60 ou 70 centímetros de um tecido que um dia mediu 2 ou 3 metros conta. Aquele macacão feito com tecido florido Liberty comprado lá na "nave mãe" em Londres e que me acompanhou em muitos passeios em dias ensolarados aqui em SP, no Rio e em Berlin. Aquele tecido de floresta que virou um vestido que usei para ser madrinha de casamento. O popeline de paisley que virou um shorts e um vestido, uma das minhas estampas favoritas até hoje.

As peças estão todas lá no armário, sendo usadas tanto quanto possível. E a quantidade de tecido que restou de cada uma ainda poderá virar uma regatinha ou uma blusa simples para dias quentes futuros, prontas para contar novas histórias.

Lá têm também os tecidos que ainda não viram a tesoura, mas que estão vivinhos na minha cabeça pois lembro bem o que pensei em fazer com eles na hora que comprei. Lá na caixa estão as minhas cores, estampas e texturas favoritas. A pausa costurística de roupas determinada por mim mesma há alguns dias até que alguns quilos tenham partido é dolorida, mas a possibilidade do que poderá ser feito à partir do que está em minhas caixas de tecido, da minha caixa de revistas, da minha prateleira de livros e da minha pasta de moldes é muito, muito animadora.

Essas transições são difíceis, a arrumação geral às vezes é cansativa, mas mirar no futuro próximo e possível (no meu caso, mais magra e com um quartinho de costura transformado em um ateliê de verdade) é o que me faz seguir em frente. Aproveitar essa minha porção organizada e metódica neste momento só está ajudando, felizmente.

Meus tecidos estão me esperando para uma nova fase, onde novas roupas vão continuar a expressar quem eu sou. Isso é sempre uma delícia!

Tecidos organizados e me esperando!

E você? Quais são os planos para seus tecidos?

Beijos!

22 de out de 2014

Curso de Estamparia Manual da Eduk - nós fizemos!

Oi, gente!
Como estão?

Entre os dias 06 e 08 de outubro fizemos o curso da Eduk de Estamparia Manual, ministrado pela professora e arquiteta Ivone Rigobello.


Como vocês já sabem esse assunto muito nos interessa e ficamos curiosas em saber o que seria apresentado nesse curso.

Já de início gostei muito da professora. A Ivone é super simples, ensina como uma mãe falando. Para completar o pacote, ela tem um imenso bom gosto e conhecimento sobre as técnicas mostradas, fazendo peças incrivelmente belas.

Fiquei babando na coleção que ela apresentou para o curso. Achei elegante e sofisticada, como os trabalhos artesanais devem ser, na minha opinião.

Ivone iniciou o curso falando sobre teoria das cores, assunto que deve ter feito muitos alunos (me incluo nessa) revirar os olhos e pensar: que coisa chata! Mas acreditem, aprendi muito, essa teoria é fundamental para o entendimento de como se formam novas cores e como elas se comportam em conjunto dando todo esse ar de sofisticação que eu falei há pouco.

Após falar sobre a teoria das cores, ela ensinou técnicas de estamparia como a utilização de texturas, carimbos, grafismos e estêncil, tudo super bem explicado!

Fiquei doida para fazer alguns testes e fiquei também com a impressão de que realmente as técnicas são fáceis, só precisam de cuidado e bom gosto para resultarem em bons projetos!

A Ivone trabalha com peças de decoração como almofadas, painéis, puffs, jogos americanos, souplats etc... enfim, peças para a casa. Utiliza padrões extremamente simples combinados a cores vibrantes, o que dá um toque minimalista ao seu trabalho que fica chique e combina com qualquer decoração.

Dois dos trabalhos apresentados no curso, que viraram capas de almofada.

O único ponto negativo, na minha opinião é que a Ivone trabalha a estamparia com lonas e outros tecidos similares bem pesados. Com esses materiais, você consegue fazer muitas peças para sua casa, mas uma das minhas expectativas para o curso era aprender a estampar tecido para costurar roupas e isso não está incluído no pacote, embora ache bem provável que a Eduk faça um curso sobre isso no futuro, mostrando tecidos mais leves e quais técnicas de pintura são adequadas para eles.

Falando com a Katia, ela ficou com as mesmas impressões que eu, tanto na questão de como trabalhar as cores quanto nas técnicas apresentadas. Nas palavras dela: "Eu também adorei o curso, principalmente das partes de teoria das cores (e como trabalhar com as misturas de tintas) e também do ferramental necessário, que é realmente simples e acessível. Os pontos fracos para mim foram a falta de opções de trabalhos em tecidos mais leves e também a duração do curso, que eu achei um pouco longa."

Concluindo, nós super recomendamos o curso da Ivone na Eduk (aqui). Ela é ótima profissional, tem muita didática ensinando de maneira divertida e prazeirosa. Comprando o curso você pode assistir quando quiser e ter sempre novas idéias para estampar suas peças. E para quem quiser acompanhar mais do lindo trabalho dela, há uma página no Facebook para seguir (aqui).

Bora estampar?

Beijos!
Ana

21 de out de 2014

Look do dia - Tudo azul!

Olá!

Sim, o look que me inspirou a começar os posts de look do dia aqui no blog está de volta em detalhes! Eu lembro bem do dia que usei esta combinação pela primeira vez e me senti bonita com ela. Sabia que eu não demoraria a usar de novo e certamente será repetida em outras oportunidades.

Eu amo azul em todas as suas tonalidades, para mim funciona como uma cor básica, assim como o preto funciona para muitas pessoas. Se estou sem ideias, vou de azul. Se não quero arriscar, vou de azul e se quero arriscar uma combinação nova também vou de azul!

Mesmo estando acima do peso, não consigo usar roupas mais largas, eu acho que me deixam maior ainda. Na verdade tudo que é acinturado (sem apertar) me deixa mais confortável. E o combo tecido plano + malha resolve tudo isso muito bem.

Eu tenho três blusas deste modelo, mas não sei por que esta é a que uso menos. Por isso fiquei feliz com a combinação, já que deixou mais uma possibilidade de usá-la. Adoro as mangas em godê que dão movimento e o acabamento em viés com pontos invisíveis à mão. Vendo as fotos, a estampa de pêras alinhadinhas acabou também dando um efeito gráfico bem interessante!

Nos pés, minha amada espadrille preta. Estou viciada nela e acho que azul escuro com preto combinam lindamente! E para finalizar, um coque alto e fofo e batom rosa!




 
Blusa com mangas godê: tecido de algodão Liberty (Londres), molde da Blusa Taffy, do livro The Colette Sewing Handbook (EUA).
Saia lápis: malha ponto roma comprada na Mediterrâneo (no Bom Retiro), molde Mabel, do site Colette Patterns (EUA).
Espadrilha: Cervera
Brincos e anel: Camila Klein
Batom: Relentlessly Red (MAC)

Gostou? Espero que sim!

Beijos!

20 de out de 2014

Costuras da Semana!

Olá!

Nesta semana que passou, como eu tinha pensado, terminei os porta copos na aula de Patchwork. Uma fofura só, inclusive para quem quase não costura coisas para casa com a cor rosa, como eu.




 E ainda combinou com o meu copinho florido!

A próxima peça é um cestinho oval, que terá um trabalho muito lindo por fora. Antecipo aqui um dos bloquinhos que estão a caminho:

Poesia com tecido, como diz a mestra Tati.

Em casa, mesmo com o calorão, retomei minha capa de lã. Quero terminá-la até o final do mês. Aliás, é tão difícil retomar projetos parados por muito tempo! Você tem que repassar o que falta fazer, o que já foi feito... Toma um tempo que não tomaria se tivesse sido feito direto, sabe?
Mas agora, o jeito é acabar, né?! 

Ajusta e termina, Katia! 
#terminakatiatermina

E, para encerrar a semana, fui no Bazar Fora de Série do Elo7. Foi muito legal conhecer novos expositores, novas ideias e também reencontrar gente querida!

Não tirei foto com ninguém pois estava parecendo uma cobrinha trocando de pele (rs) por conta de um peeling que fiz semana passada. Na próxima eu tiro, prometo!

As compras foram estas:


Uma almofada com estampa de flamingos da querida Má "Colacorelinha" Stump, que já está na sala.

Uma luminária do Star Wars escolhida à dedo pelo marido, da i-Pat.


Tecidinhos e projeto da máquina de costura em tecido da Lu Gastal.


Por enquanto é isso!
Beijos e boas costuras!

17 de out de 2014

Look do Dia - Vestido Coco (num dia de inverno em plena primavera)

Olá!

Inaugurando os posts de look do dia, este foi do dia que eu resolvi estrear meu vestido Coco. Estava um tanto frio, praticamente um dia de inverno em plena primavera. Sabe aquele dia em que você cisma com uma roupa e tem que vestir de qualquer jeito? Pois era um dia assim.

Eu usei para visitar o apartamento lindo de amigos queridos (beijos Ju e Dan) e sabia que voltaria tarde para casa, então tinha que estar bem coberta.

Já que a estampa é grande e tem um tantinho de cores, eu achei melhor usar preto no restante.

 

Operação "transformando um vestido de meia estação em um vestido de inverno", rs: Coloquei meia calça, bota e casaquinho, tudo preto e meu cachecol azul petróleo, que combina com o tom de algumas das folhas do vestido. Por cima, ainda usei um casaco de lã, rs!
Para deixar ainda mais "invernal", batom vinho!




Como eu sabia que teria que usar cachecol e casaco, acabei economizando nos acessórios, usando só um brinco simples e um anel grande, como eu sempre faço.


E o quanto eu amo esta estampa? 
Detalhe para o anel em tons de bronze, cinza e rosé.

No fim das contas, consegui estrear o vestido novo e gostei do resultado, além de não ter passado frio. Espero usar de novo num look mais fresquinho, aí eu volto a mostrar!

Vestido Coco com malha de algodão orgânico: molde Tilly and the Buttons (Inglaterra), tecido Frau Tulpe (Berlin)
Bota: Schutz
Anel: Camila Klein
Batom: Diva (MAC)

Gostou?
Beijos!

16 de out de 2014

Meu ídolo costurístico

Olá!

Hoje vim falar da minha maior inspiração como costureira: a minha mãe! Como já contei em outros posts, dona Ana Maria costura desde pequena, fazia e reformava suas próprias roupas durante a adolescência, estudou modelagem em algumas escolas tradicionais durante sua vida e nunca parou de costurar até hoje. Antigamente era por hobby (porque minha mãe é daquelas pessoas que nascem artistas, ou seja, tudo em que põe a mão vira ouro!), hoje ela trabalha principalmente na produção de enxovais, produtos e roupas para bebês e crianças. Ela adora criar!

Sei que é muito difícil não parecer exagero, afinal ela é a minha mãe, mas acreditem: ela é uma artista de mão cheia! Desde sempre ouço elogios aos milhares de minhas amigas, que ficam encantadas com o trabalho dela.

Não é para menos, vejam abaixo apenas dois dos meus preferidos:

Conjuntinho para forrar a poltrona do quarto da Julia, não é lindo demais? 
Detalhe para a coruja feita pela minha madrinha, outra inspiraçãoo incrível que tenho a sorte de ter.


Jogo de lençóis de bichinhos dormindo, não é muita fofura???

Reparem na coleção de bodies que ela fez para uma bebê pra lá de sortuda, não é demais? 
Tudo bordado à mão pela Dona Ana Maria.

Vestido de festa junina, bordado com uma quadrilha inteira de meninos e meninas caipirinhas, para ser usado junto com a calçola enfeitada de bandeirolas, uma riqueza.

Acho que deu para ter idéia de que ela faz de tudo e consegue deixar tudo muito lindo! É muito capricho e dedicação, que eu uso como inspiração para sempre melhorar na costura.

O meu começo na costura veio com a vontade de fazer peças para minha filhota, mas desde criança minha mãe me incentivou a costurar e fazer trabalhos manuais. Lá pelos 5 anos de idade fazíamos aula de pintura juntas, durante a adolescência era viciada em ponto cruz e tricô, tudo por conta das artes da Dona Ana Maria.

Mãe, nunca poderei te agradecer por tudo que você me ensinou e continua a ensinar. Espero poder ter a sorte de compartilhar muitas outras artes contigo e ser uma mãe parecida para minha Juloca!

Para quem se interessar em ver mais peças feitas pela vovó Ana é só acessar o facebook do Empório Cogumelo, nossa marca de peças infantis. Tudo feito com muito carinho para os pequenos!


Beijocas!
Ana

15 de out de 2014

Molde Tilly and the Buttons + Dicas para costurar malhas

Olá!

Já tem um tempinho que fiz a primeira peça usando um molde da Tilly and the Buttons, a blusa Coco. Ela tem mangas 3/4 com pala e a golinha afunilada que deu uma cara bem dos anos 60 à peça. (fotos aqui e aqui).

Top Coco, feito parte na overloque (fechamento das laterais, dos ombros e das mangas) e parte na máquina de costura (encaixe das mangas na blusa e acabamentos)

Na época eu não escrevi sobre o que achei do molde mas, como resolvi repetir a dose fazendo a versão do vestido na semana que passou, fui preparando este post à medida que ia montando a nova peça.


O molde vem da Tilly and the Buttons, lá do Reino Unido, então está em inglês. Uma parte boa em relação aos moldes americanos é que na "terra da Rainha" também se usa o sistema métrico, como nós, eliminando a parte chata de ficar fazendo as conversões de polegadas e jardas para centímetros e metros. Na verdade as instruções contêm os dois sistemas de medidas, uma maravilha!

Imprimir o molde e as instruções foi fácil. Como já fiz isto algumas vezes antes, não tive problemas.
Partindo para o corte do vestido, escolhi aumentar em um tamanho o que eu tinha feito para a blusa pois a malha que usei desta vez é um pouco mais fina, muito mais clara e bem menos elástica do que o tecido que eu usei na blusa. Assim eu não terei problemas mais adiante quando estiver usando.

Quanto à montagem da peça, ela é bem simples. As instruções que eu imprimi são só em texto, mas há um tutorial com bastante imagens no blog. (Começa aqui)

A parte boa e que eu imagino que possa animar muita gente é que a autora costura a peça toda usando uma máquina de costura comum e não uma overloque. Sim, isso é verdade! Dá para se aventurar no mundo das malhas usando os pontos reto e ziguezague, além de usar uma agulha dupla para fazer os acabamentos.

Como eu e a minha overloque Encantada estamos "de bem" de novo, segui a instruções todas mas usando a overloque.

Optando por usar overloque, tem que tomar cuidado com o uso de alfinetes, que nunca podem passar perto da agulha e lâmina de corte de tecido, ok?

Se a peça estiver alfinetada, não deixe os alfinetes chegarem perto do pé calcador e da lâmina de corte!

A parte de unir as mangas com o vestido me pareceu interessante, então resolvi tentar. Primeiro uni a parte curva dos ombros com a parte da cava do vestido. Depois fechei a manga e a lateral do vestido de uma vez. Foi tenso por conta que a peça estava alfinetada e porque tem curva para fazer, dá para notar nesta foto acima. A dica que eu dou aqui, para quem vai usar overloque, é ficar de olho onde a faca está cortando o tecido, para manter aquele tantinho cortado num tamanho uniforme.

Estou falando isso pois na máquina de costura a gente se habitua a olhar o que está acontecendo na região da agulha e numa máquina de overloque o olho tem que estar na região da faca. Se cortou certo, a costura lá na frente tende a sair certa também.

De olho na quantidade de tecido cortada por igual!

Fechada a peça, lá fui eu para os acabamentos, agora na máquina de costura. Eu usei o mesmo método para decote, mangas e barra: marquei as margens de costura bem certinho, alinhavei e depois usei a minha dupla infalível para os acabamentos perfeitos em malha: guia de costura (fiz post sobre ele faz pouco tempo, lembra?) e agulha dupla. Tudo isso na máquina de costura.

Barra alinhavada e depois costurada com agulha dupla.

Eu particularmente não gostei da maneira que o decote canoa foi feito, com pontos ziguezague aparentes no direito da peça. Optei por fazer também com a agulha dupla.


Decote


 Barra

Barra da manga

Deixei tudo o que tinha que receber acabamento já passado no overloque também, mas dá para pular essa parte se você finalizar a peça em malha como eu fiz com a agulha dupla, pois no verso sempre forma um ziguezague que dá acabamento.


Barra virada para cima, para mostrar como fica por dentro. 
O overloque está bem na beiradinha abaixo e o ziguezague estreito acima é resultado da costura com agulha dupla.

Terminada esta parte dos acabamentos, é foi só tirar os alinhavos, passar tudo a ferro e o vestido estava pronto!

Eu gostei bastante do resultado das duas peças e tenho mais dois moldes da Tilly na fila para fazer.
Espero que eu tenha animado quem está com vontade de costurar malhas! E tem mais um post meu sobre como escolher a malha para seu projeto de costura no Superziper (aqui).

Beijos!

Poderá também gostar de:

Related Posts with Thumbnails